Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

captura-de-tela-2015-06-26-as-11-40-07
No comando: Igreja Presbiteriana do Brasil

Das 00:00 às 02:00

13
No comando: ROBERTO CARLOS & AMIGOS

Das 02:00 às 03:00

01
No comando: CASA DE TAIPA

Das 03:00 às 06:00

16
No comando: MOMENTOS DE LOUVOR

Das 06:00 às 07:00

chalice-1591668_960_720-700x466
No comando: SANTA MISSA

Das 07:00 às 08:00

whatsapp-image-2019-06-01-at-14-14-58
No comando: NOVO TEMPO

Das 07:00 às 08:00

57595611_2328140127509449_1125159699293929472_n
No comando: MANHÃ 97

Das 07:00 às 09:00

missa
No comando: DOMINUS DAY

Das 08:00 às 09:00

57595611_2328140127509449_1125159699293929472_n
No comando: ENERGIA SHOW DE PRÊMIOS

Das 08:00 às 11:00

24909920_131352710979592_6874489845889766324_n
No comando: PREMIO FACIN

Das 09:00 às 10:30

57595611_2328140127509449_1125159699293929472_n
No comando: BOM DIA ALEGRIA

Das 09:00 às 12:00

10
No comando: NÃO DEIXE O SAMBA MORRER

Das 10:30 às 12:00

57595611_2328140127509449_1125159699293929472_n
No comando: ALTERNATIVA CERTA

Das 11:00 às 12:00

whatsapp-image-2019-06-01-at-14-32-29
No comando: PALAVRA DE FÉ

Das 12:00 às 13:00

57595611_2328140127509449_1125159699293929472_n
No comando: ARQUIBANCADA 97

Das 12:00 às 13:00

315582_134505953316785_1571316901_n
No comando: PATRULHÃO 97

Das 12:00 às 14:00

1fa17fe3-eac7-46ef-8652-b90cd21872a3
No comando: CIA DO BABADO

Das 14:00 às 15:00

36287246_10204871655226631_1003088783052111872_n
No comando: FREQUÊNCIA 97

Das 15:00 às 16:00

57595611_2328140127509449_1125159699293929472_n
No comando: BANANA SHOW

Das 16:00 às 17:00

11
No comando: VOZ DO BRASIL

Das 19:00 às 20:00

whatsapp-image-2019-06-01-at-08-23-25
No comando: NAFTALINA

Das 19:00 às 21:00

07
No comando: EU, VOCÊ E A SAUDADE

Das 20:00 às 22:00

315582_134505953316785_1571316901_n
No comando: BAR DA NOITE

Das 22:00 às 23:59

Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus

Compartilhe:
coronavirus-sars-cov2-covid-19-05052020091900232

O medicamento heparina parece também ser capaz de dificultar a entrada do novo coronavírus nas células

Um estudo realizado pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e por pesquisadores da Inglaterra e da Itália apontou um possível novo mecanismo de ação do medicamento heparina, um anticoagulante, no tratamento do coronavírus (covid-19).

Além de inibir distúrbios de coagulação que podem afetar vasos do pulmão e prejudicar a oxigenação, o medicamento parece também ser capaz de dificultar a entrada do novo coronavírus nas células. Os pesquisadores realizaram testes de laboratório em linhagem celular proveniente do rim do macaco-verde africano (Cercopithecus aethiops) e a heparina reduziu em 70% a invasão das células pelo novo coronavírus.

Em entrevista à Agência Fapesp, Helena Bonciani Nader, professora da Unifesp e coordenadora do projeto entre os brasileiros, afirmou que existiam indícios de que a heparina também tinha capacidade de prevenir infecções virais, incluindo por coronavírus, mas as evidências não eram muito robustas. Entretanto, os pesquisadores conseguiram comprovar essa propriedade do medicamento em ensaios in vitro. 

A pesquisadora estuda há mais de mais de 40 anos os glicosaminoglicanos – classe de carboidratos complexos à qual a heparina pertence – e desenvolveu as primeiras heparinas de baixo peso molecular, usadas clinicamente como agentes anticoagulantes e antitrombóticos, inclusive em pacientes com covid-19.

Uma das descobertas feitas ao longo deste período foi que a heparina é um medicamento multialvo, pois além do seu efeito na prevenção da coagulação do sangue pode se ligar a diversas proteínas. Entre elas, fatores de crescimento e citocinas que se ligam a receptores específicos na superfície de células-alvo.

Nos últimos anos, estudos feitos por outros grupos sugeriram que as proteínas de superfície de outros coronavírus até então relatados poderiam se ligar a um glicosaminoglicano das células de mamíferos, chamado heparam sulfato, para infectá-las.

Com o surgimento do novo coronavírus, os pesquisadores da Unifesp tiveram a ideia de avaliar se a proteína de superfície do novo coronavírus responsável pela infecção das células – chamada proteína spike – se liga à heparina, uma vez que a molécula do fármaco tem estrutura muito semelhante à do heparam sulfato.

Por Da redação com Agências Fapesp

Deixe seu comentário: